CENTENAS DE PRESOS COM SINTOMAS

Governo promove ação de saúde para conter casos de síndrome gripal no Iapen

Governo promove ação de saúde para conter casos de síndrome gripal no Iapen

Profissionais de saúde avaliaram a situação dos internos que apresentam sintomas gripais

Compartilhe:

Nesta terça-feira, 4, o Governo do Amapá iniciou uma ação de saúde para controlar os quadros de síndrome gripal no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen). Cerca de 500 internos (20% da população carcerária) apresentam sintomas de gripe. A morte de dois presos nos últimos dias pode ter sido provocada pela doença.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) disponibilizou uma equipe com sete profissionais, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, para realizar triagem de verificação de sinais vitais, dispensação de medicamentos e administração de injetáveis. Durante a ação, a equipe da Sesa também testará os detentos para Covid-19.

O secretário-adjunto de atenção à Saúde, José Everton Gomes, afirma que a meta é atuar no atendimento primário, para sanar a infecção respiratória ainda no início dos sintomas.

“Estamos prestando o apoio necessário para que os casos de síndrome gripal não afoguem as unidades hospitalares. A equipe cuidará, aqui no Iapen, das pessoas que estão apresentando sintomas como tosse, diarreia, dores musculares, falta de ar, e demais sinais e sintomas de infecção viral”, destacou.

Segundo o coordenador de tratamento penal, José Antônio Nunes, cinco detentos estão internados no Hospital de Emergência de Macapá (HE). “Os detentos convivem com muita proximidade. Estamos trabalhando não somente a remediação, mas também a prevenção, dentro das possibilidades”, afirmou.

Diante do surto de gripe no presídio estadual, as visitas aos internos continuam suspensas.

Nesta quarta-feira, 5, uma equipe da Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) deve voltar ao Iapen para testagem que identifica a influenza.

Na semana passada, equipes do Laboratório Central (Lacen) aplicaram 200 exames PT-PCR em funcionários e apenados do Instituto. O procedimento pode detectar diferentes vírus, como influenza A e B (que causam gripe) e sars-cov 2 (causador da covid-19).

Compartilhe: