INVESTIGAÇÃO SOBRE HOMICÍDIO

Jovem é preso com armas de fogo, munições e dinheiro falso em Macapá

Jovem é preso com armas de fogo, munições e dinheiro falso em Macapá

Momento em que o jovem chega à delegacia, após ser preso em flagrante pela Polícia Civil

Compartilhe:

Durante uma operação que investiga um assassinato em Macapá, a Polícia Civil prendeu um homem de 20 anos e apreendeu três armas de fogo, mais de 40 munições de diversos calibres, várias porções de maconha e crack, e LSD (droga sintética), balança de precisão, celulares, material para embalagem do entorpecente e mais de R$ 6 mil em dinheiro falso. Gabriel dos Santos Trindade seria o segurança de uma casa usada por uma organização criminosa.

Na casa os policiais encontraram drogas, munição, armas de fogo e dinheiro falso

Após a morte de Kildson Carvalho Rodrigues, de 24 anos, em junho deste ano, executado a tiros, e em seguida decaptado, na zona norte de Macapá, A Delegacia de Homicídios iniciou uma investigação para desvendar o crime. A apuração constatou alguns suspeitos envolvidos, a partir de então, solicitou da Justiça mandados de busca e apreensão e de prisão. Durante o levantamento, o delegado César Ávila, responsável pela investigação, descobriu que o alvo do mandado de prisão morreu durante um confronto com a Polícia Militar recentemente.

Nesta quarta-feira, 20, equipes da Polícia Civil foram até uma área conhecida como “Ponte da Preta”, no bairro São Lázaro, zona norte de Macapá. “Na casa que tínhamos como alvo, não encontramos nada. Porém, durante a ação, recebemos informações que um jovem estava morando na área há pouco tempo e apresentava atitude suspeita. Resolvemos ir até a casa desse individuo, quando batemos na porta dele, tentou fugir, mas estava cercado e foi preso”, explicou o delegado César Ávila.

Armas serão periciadas para saber se foram utilizadas em algum assassinato

“Durante depoimento, Gabriel negou qualquer participação no homicídio do Kildson e de envolvimento com alguma facção criminosa. Ele não possui nenhuma passagem pela polícia, mas acreditamos que ele seria o segurança da casa, que funcionava como base de uma organização criminosa. Vamos continuar investigando. As armas vão ser submetidas a exame pericial para verificar se foram usadas na morte da vítima e outros crimes de homicídio”, reforçou o delegado.

Compartilhe: