EM BUSCA DO TÍTULO INÉDITO

Humildade, união, juventude e talento. A fórmula do Santana para tentar o título do Amapazão

Humildade, união, juventude e talento. A fórmula do Santana para tentar o título do Amapazão

União do grupo é um dos fatores responsáveis pela chegada do Santana à final do Amapazão

Compartilhe:

Na próxima quarta-feira, 23, o Santana entra em campo para o primeiro jogo da final do Amapazão 2020. Diante do Ypiranga, o Canário do Porto vai tentar o título inédito do futebol profissional e aposta na humildade, união, juventude e talento do elenco para fazer história.

O grupo é formado por atletas do Amapá e de fora do Estado, com média de idade de 22 anos, sob o comando do jovem técnico Isac Pinheiro. Aos 35 anos, quer aproveitar a primeira oportunidade como técnico do time principal do Santana para conquistar o título inédito para o clube, que chegou a uma decisão após dez anos. A última vez que o Santana venceu o estadual foi em 1985, ainda na era amador.

O Canário, que perdeu na estreia para o Santos-AP por 3 a 1, em março, aproveitou a pausa na competição por causa da pandemia para reforçar o time e planejar a reestreia. Em agosto, diante do Ypiranga, vitória por 4 a 3. Mas as duas rodadas seguintes não foram boas para o Santana. Derrota para o Trem por 1 a 0 e empate com o São Paulo por 1 a 1.

Na última rodada da primeira fase, com a derrota do Trem para o Ypiranga, o Canário só precisava vencer para avançar no campeonato. Mas não era qualquer vitória. A vantagem tinha que ser de três gols. E o time foi pra cima e derrotou o Macapá por 4 a 0.

Nas semifinais, dois confrontos contra o Santos-AP, atual campeão estadual e um dos favoritos ao título. No primeiro jogo, empate em 2 a 2. Na partida de volta, o Peixe, dono da melhor campanha, precisava de outro empate para chegar à final. Mas o Santana, que precisava vencer, fez um a zero e garantiu a vaga na decisão.

“Nós éramos considerados o azarão. Então, não tínhamos responsabilidade de enfrentar qualquer time que fosse. Respeitamos nossos adversários, mas, agora, estamos numa final. E quando a gente chega numa decisão, tem a perspectiva de vencer, pois chegamos aonde chegamos pelo nosso mérito”, afirmou o auxiliar técnico Davi Andrade.

Neste sábado, 19, Andrade e o preparador físico Benedito José do Rosário, o Bené, comandaram o treino no estádio Augusto Antunes. Um trabalho de reavaliação, resistência, velocidade e força.

“Por causa dessa sequência de jogos, estamos treinando somente em um período, para ter um tempo de recuperação no outro período. No dia seguinte às partidas, já fazemos um trabalho de resistência, com alongamento, força e potência”, explicou Bené.

O grupo descansa no domingo e deve voltar aos treinos na segunda, 21. No primeiro jogo da final, Isac Pinheiro deve colocar em campo o mesmo time que entrou jogando na vitória contra o Santos-AP pelas semifinais.

Compartilhe: