AUXÍLIO FINANCEIRO

Vereador Adelson Rocha alerta para uso eleitoreiro do programa Alimenta Santana

Vereador Adelson Rocha alerta para uso eleitoreiro do programa Alimenta Santana

Vereador Adelson Rocha tem fiscalizado as ações de cadastramento das famílias no programa

Compartilhe:

O vereador Adelson Rocha (PCdoB) alertou para o uso eleitoreiro do Programa “Alimenta Santana”, que vai beneficiar 5.750 famílias, afetadas pela pandemia do novo coronavírus, com um auxílio financeiro de R$ 400. O parlamentar questiona os critérios para a seleção dos beneficiários e pede investigação do processo de escolha.

Desde que o cadastramento iniciou, em 24 de julho, o parlamentar tem fiscalizado as ações nos bairros para acompanhar a inscrição das famílias interessadas em receber o benefício. E questiona a exigência da apresentação do título de eleitor para comprovar residência no município. Para ele, existem outras formas de um cidadão comprovar que mora em Santana, sem que haja necessidade ou obrigação de apresentar o documento.

“Existe uma tentativa de uso eleitoreiro, segundo denunciam moradores, do programa. E nossa fiscalização é no sentido de alertar o Ministério Público Estadual e Ministério Público Eleitoral para que um programa social que deve transferir renda em pleno período eleitoral, de acordo com o planejamento da gestão, não seja utilizado indevidamente. Não há necessidade de pedir o título de eleitor do cidadão e vamos levar isso ao conhecimento das autoridades judiciais”, alertou o vereador.

O Alimenta Santana será pago em três parcelas, duas de R$ 150 e uma de R$ 100, totalizando R$ 400. O benefício será concedido através de um cartão, que poderá ser usado nos estabelecimentos comerciais.

Adelson Rocha diz que a Prefeitura poderia pagar de uma única vez. “Esse valor de R$ 400, parcelado, é pouco perto da crise que vivemos. Por isso, vamos articular apoio e pedir ajuda de toda a bancada federal para que façam aporte de mais recursos para que mais famílias sejam atendidas e o valor seja ampliado, garantindo uma renda mínima em consonância com o Auxílio Emergencial, até a superação da crise”, propõe o vereador.

Compartilhe: