'Agora nossos produtos têm uma identidade cultural', afirma empresário sobre o Selo Amapá

  • Bitti: “Agora nossos produtos têm uma identidade cultural”
    Bitti: “Agora nossos produtos têm uma identidade cultural” - Marcelo Loureiro
img
Elder de Abreu
REPÓRTER E EDITOR
Certificação valoriza origem dos produtos amapaenses: “Produto do Meio do Mundo – Amapá – Amazônia – Brasil”

Produtos fabricados com matéria prima de origem genuinamente amapaense ganharam mais força para competir em mercados externos. É que o Governo do Estado validou uma nova marca que permite o reconhecimento nacional e internacional dos produtos locais, em especial, aqueles produzidos com incentivos da Zona Franca Verde (ZFV) de Macapá e Santana.

Com a certificação “Produto do Meio do Mundo – Amapá – Amazônia – Brasil”, o Selo Amapá também possibilitará mais geração de emprego e renda nas produções industriais do Estado e fortalecerá as características de cada região do Amapá, nos âmbitos ambientais, sociais, culturais e econômicos.

A nova chancela foi lançada nesta terça-feira, 30, no Palácio do Setentrião, sede do governo estadual em Macapá. Durante a solenidade de lançamento, 23 empresas receberam a certificação, e, em breve, terão o selo nas embalagens de seus produtos. O empresário Grégory Bitti, foi um deles. Dono de uma empresa de moagem de trigo que atua há sete anos no município de Santana, ele frisou a importância da certificação ao mencionar que ela reúne conceitos fundamentais para o desenvolvimento de produtos, como responsabilidade ambiental, social e credibilidade do produto.

Ele também acrescentou que a chancela permite às empresas amapaenses alcançar novos mercados e perspectivas, com mais competitividade. “Agora nossos produtos têm uma identidade cultural. O Selo Amapá é uma certificação que passa credibilidade daquilo que está sendo vendido, pois isso significa que essas empresas cumprem os requisitos legais para o funcionamento das atividades voltadas para o seu local de produção e beneficiamento”, declarou.

O governador Waldez Góes destacou que com a certificação, os mercados irão abraçar melhor as empresas locais por saber que elas têm responsabilidade ambiental e social, estando situadas em um dos Estados mais preservados do país. Góes ainda destacou que Estado e iniciativa privada devem seguir de mãos dadas, visando o crescimento econômico local e consequentemente, mais qualidade de vida para a população.

Uma vez consolidados e valorizados os negócios e produtos locais, comentou o chefe do Executivo estadual, o Estado se tornará, por consequência, ainda mais atrativo no âmbito da Zona Franca Verde (ZFV) de Macapá e Santana.

“Algumas dessas indústrias já começam a entrar com seus projetos. Na agencia amapá temos hoje 20 manifestações de novos projetos nas mais diversas áreas. Temos 35 solicitações de locação – cessão de espaço - para implantação das empresas. Ainda em 2018, nossa expectativa é de ter mais de 20 empresas instaladas”, salientou o governador.

O selo foi elaborado pelo governo estadual, por meio da Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá (Agência Amapá) em parceria com a Federação do Comércio de Bens e Serviços do Amapá (Fecomércio), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

Para incentivar a adesão de todos os empresários locais, o governo do Estado dará início à campanha publicitária “Valorize o que é da nossa gente”.

Segundo o diretor-presidente da Agência Amapá, Eliezir Viterbino, os trâmites para a certificação são simples. O empresário interessado deve procurar a Agência, na Rua Cônego Domingos Maltês, 916, Trem. Todas as informações referentes aos documentos necessários serão disponibilizados também no site do órgão (www.ageamapa.ap.gov.br).

0 Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

0 Comentários

Anuncie Aqui