Moradores do Porto do Céu cobram melhorias em ramal

  • Moradores solicitaram ajuda do deputado Diogo Senior para resolver os problemas da comunidade
    Moradores solicitaram ajuda do deputado Diogo Senior para resolver os problemas da comunidade
Falta de trafegabilidade dificulta transporte da produção agrícola e prestação de serviços à comunidade.

Cerca de 5 mil famílias que moram no Porto do Céu, entre os municípios de Macapá e Santana, cobram a manutenção do único ramal que dá acesso à comunidade. As péssimas condições da estrada dificultam o escoamento da produção, além de outros serviços, como socorro médico, por exemplo.

Segundo os moradores, o ramal foi construído pela empresa Amapá Celulose (Amcel) há mais de duas décadas. Aos poucos, as famílias foram se instalando às margens da estrada e encontraram na agricultura o principal meio de subsistência. Mas, com o passar do tempo, a via passou a apresentar problemas, principalmente no período chuvoso, quando se formam pontos de atoleiros. O lamaçal dificulta o transporte da produção agrícola e os produtores deixam de vender seus produtos, além de acumularem perdas.

Há relatos de que motoristas e ambulâncias estariam se recusando a entrar na comunidade para atender algum paciente. Rondas da Polícia Militar também estão comprometidas por conta da situação da estrada.

Diante das dificuldades, um grupo de moradores reuniu com o deputado estadual Diogo Senior (PMB) e pediu apoio para que possa intervir junto ao poder público na busca por melhorias. O parlamentar garantiu que vai pedir providências aos órgãos responsáveis. “Relatei esses problemas na tribuna da Assembleia Legislativa, compartilhei com meus pares as dificuldades enfrentadas pelos moradores do Porto do Céu. Também preparamos um requerimento à Secretaria de Transportes do Estado para que faça as melhorias no ramal”, explicou o parlamentar.

Nos próximos dias, o deputado deve voltar à comunidade, onde vai propor a criação de uma comissão para visitar os órgãos públicos e apresentar as reivindicações dos moradores.

0 Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

0 Comentários