Família argentina que viaja o mundo há 19 anos chega ao município de Santana

  • Família Zapp desembarcou em Santana nesta segunda-feira, em mais uma parada na volta pra casa
    Família Zapp desembarcou em Santana nesta segunda-feira, em mais uma parada na volta pra casa
  • Família Zapp rodou o mundo a bordo de um veículo fabricado em 1928
    Família Zapp rodou o mundo a bordo de um veículo fabricado em 1928
img
Jonhwene Silva
Editor de esportes
Família iniciou a jornada em 2000 e, além do Brasil, tem o Uruguai pelo caminho antes de chegar à Argentina

Uma história digna do roteiro de filme e que, certamente, faz parte do imaginário de qualquer bom autor. E quando o tema é viagem, isso torna-se algo ainda mais imaginável. De passagem pelo Amapá, a família Zapp, de origem argentina, está viajando o mundo a bordo de um Sedan fabricado em 1928. E com muitas coisas pra contar, eles já percorreram mais de cem países nos cinco continentes. Nesta segunda-feira, 18, o grupo desembarcou no Porto de Santana, no caminho de volta pra casa.

Hernan e Candelaria Zapp (os pais), Pampa, 16 anos, Tehue, 3 anos, Paloma, 11 anos, e Wallady, 9, anos, são os personagens dessa aventura sobre quatro rodas. Eles vieram da Guiana Francesa após uma longa travessia pelo Oceano Atlântico, oriundos das Ilhas Canárias. África do Sul, Espanha, Namíbia, Zimbábue, Austrália, Estados Unidos e tantos outros países estiveram no percurso dos Zapp. O patriarca da família relata que a ideia partiu dele e de um sonho de infância em conhecer o mundo todo. Eles partiram de Buenos Aires em janeiro de 2000.

E com tanto tempo percorrendo estradas, é fácil exemplificar fatos curiosos. As crianças, por exemplo, possuem nacionalidades diferentes. O mais velho, Pampa, nasceu nos Estados Unidos, Tehue, na Argentina, Paloma, no Canadá, e Wallady na Austrália. Todos tiveram experiências incríveis como o fato de brincar com crianças de tribos africanas. A mãe relata que, apesar do clima de alegria, os estudos não são esquecidos.

“Eles recebem livros e fazem lições sob meu acompanhamento. Todo o material é enviado para a Argentina e, dessa forma, realizam as séries. Existe horário para isso, e assim, conseguimos fazer com que aprendam as disciplinas comuns”, explica Candelaria.

E nas andanças, muitas amizades acabam surgindo. Pampa conta que, na Espanha, conheceu um holandês de nome Yohan e ficou muito amigo do garoto. Se puder, espera, um dia, poder reencontrá-lo. “Yohan será um amigo que jamais irei esquecer. A gente conhece muitas pessoas, mas, alguns, levamos no coração. Espero, quem sabe, um dia poder reencontra-lo”, afirmou.

Hernan conta que o mais fascinante é poder conhecer culturas diferentes em cada cantinho do mundo. Descobrir as características de cada povo, suas crenças, religiosidade, tornam a viagem maravilhosa. Além disso, utilizar outros meios de transporte, é muito bom.

“Tem momentos que estamos dias na estrada, outro, dias no mar, realizando travessias, e agora vamos encarar o rio. Isso é formidável e mostra que esse mundo é lindo. Me encanta a Amazônia com toda a sua beleza e riquezas naturais. Será, certamente, um capítulo à parte”, conta o patriarca da família Zapp.

Candelaria relembra que um dos momentos de maior tensão ocorreu na entrada da China. O regime chinês é muito burocrático e foi preciso se antecipar na documentação de acesso ao país. Além disso, as autoridades chinesas exigem um documento para entrar e outro para sair.

“Foi um dos lugares mais difíceis. Mas, conseguimos passar. Possuem uma rica cultura e são muito rígidos em relação aos governantes. Muito lindo”, afirmou.

Apesar de todo o clima de otimismo, a viagem está perto do fim. A família Zapp embarca no Porto de Santana, no Amapá, vai até Belém, percorre todo Brasil, até chegar ao Uruguai e, finalmente, Argentina.

“Com certeza, será estranho quando acabarmos. Terei realizado meu sonho”, finalizou Hernan.

0 Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

0 Comentários