PT/AP fará campanha para se manter até a liberação do Fundo Partidário

  • Partido dos Trabalhadores busca alternativas para se manter e disputar as eleições de 2020
    Partido dos Trabalhadores busca alternativas para se manter e disputar as eleições de 2020
Partido também avalia a expulsão do ex-presidente do partido, Joel Banha

Em reunião ampliada com filiados e dirigentes, o Partido dos Trabalhadores no Amapá (PT/AP) deliberou pelo lançamento de uma campanha para arrecadação financeira dentre os seus filiados, para a manutenção da legenda no Estado.

Os atuais dirigentes vêm lutando para manter o partido ativo no Amapá, uma vez que a Justiça Eleitoral suspendeu o recebimento de recursos financeiros por falta de prestação de contas do que fora recebido no ano de 2015. Além da suspensão, a Justiça determinou a devolução de cerca de R$ 800 mil, já corrigidos.

Essas sanções deixaram o PT do Amapá sem a contagem dos votos nas eleições deste ano, ficando de fora de mandato e de suplências.

O custo mensal do partido, segundo sua presidência, é de, no mínimo, R$ 15 mil, considerando locação e manutenção do imóvel que abriga as sedes estadual e municipal de Macapá, além de pagamento de pessoal e demais despesas básicas para funcionamento.

"Já temos acumulado cerca de R$ 40 mil em dívidas por falta do Fundo Partidário, que era de R$ 33 mil mensais. As parcelas da devolução dos recursos determinados pela Justiça Eleitoral (cerca de R$ 10 mil mensais), o Diretório Nacional está pagando, mas precisamos manter o partido em dia com as outras prestações de contas de 2016 e 2017 para não termos os mesmos problemas que estão nos inviabilizando", disse o ex-prefeito Antonio Nogueira, atual presidente da legenda.

A previsão de regularização total do partido, dependendo do sucesso da campanha prometida para iniciar ainda este mês, é de abril do ano que vem, para voltar a receber os recursos do fundo e participar regularmente das eleições de 2020. Até lá, o objetivo é arrecadar cerca de R$ 80 mil.

Uma comissão mista composta por dirigentes e filiados foi formada para apresentação de uma proposta da campanha de arrecadação junto aos seus filiados para que seja aprovada na próxima segunda-feira, 17, quando, também, será apreciada pelo Diretório Estadual, o pedido de expulsão da sigla do ex-presidente Joel Banha, apontado como responsável pelos sérios problemas que o PT amapaense vem enfrentando.

A plenária aconteceu na noite de segunda-feira, 10, na sede amapaense, localizada na Av. Raimundo Álvares da Costa, no centro de Macapá.

0 Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

0 Comentários